Advogar no estrangeiro

Hoje, uma das ferramentas mais preciosas dos advogados é o conhecimento de línguas estrangeiras. Aos jovens advogados exige-se que saibam inglês. De facto, é a linguagem que se tornou universal no mundo dos negócios. No entanto, não é hoje uma ferramenta como o era há alguns anos atrás.

A advocacia tornou -se global, isto é, as solicitações de empresas e pessoas de outras zonas do globo a querer investir e residir em Portugal é uma realidade.

Mas além disso, as empresas portuguesas reconheceram, finalmente, que estão maduras para se aventuraram noutras geografias e ter o advogado para as confortar e as apoiar nessas geografias é fundamental.

Para isso, é preciso que saiba a língua do país de destino, que tenha verdadeiros colegas e parceiros locais nesses países.

Ora, fruto da necessidade e do trabalho, na sociedade, o conhecimento de línguas, sem ser o inglês é um elemento essencial e diferenciador do advogado.

As sociedades hoje têm de dar essas ferramentas aos seus colaboradores e cada vez mais, receber advogados estrangeiros nos seus escritórios. É isso que fazemos…é esse o nosso desígnio. É assim que a advocacia se re-inventa todos os dias no nosso escritório.

Atualmente estamos implementados em África e na América Latina pois é aí que os nossos clientes exigem mais atenção!

Internacionalizar é uma obrigação da sociedade de advogados pois só assim consegue dar mais valias aos seus clientes pois só com uma boa assessoria internacional se cria segurança na internacionalização das empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.